OCORRÊNCIA DE PLACA Barão de Cocais: Polícia militar desvenda desparecimento de engenheiro mecânico que havia saído de Itabira para venda de um veículo no Distrito de Cocais.

Notícia
13/08/2018

Na data de ontem por voltas das 21:40 horas, a Sala de Operações da 57ª Cia PM recebeu uma solicitação para atendimento de uma ocorrência de acidente de trânsito envolvendo um automóvel e um caminhão tendo uma equipe, deslocado para certificar a veracidade do acionamento.

No local, a equipe constatou o acidente envolvendo o veículo VW/Fox, cor branca, placa OQW-2622 e o CAMINHÃO TRATOR SCANIA/P340, PLACA GXM-2322, sendo colhida informação que logo após a colisão, o condutor do veículo VW/Fox evadiu em uma motocicleta de cor preta que o acompanhava.
Durante a vistoria veicular, foi detectada a presença de sangue no porta-malas e de uma substância viscosa, aparentando ser massa encefálica.
Em consulta ao sistema informatizado de segurança, a Sala de Operações conseguiu localizar o numero do telefone da esposa do proprietário do VW/Fox, e após contato com esta, foi recebida informação que seu esposo R. estava negociando a venda do referido veículo com um cidadão do Distrito de Cocais de prenome “Í.”, o qual através de contato telefônico havia se apresentado como fazendeiro da região, informando ainda o numero de telefone 31-97169-7301 que seria pertencente ao tal “fazendeiro”, o qual estava sendo utilizado na negociação.
Afiançou a esposa de R. que este havia saído de Itabira por volta das 17:00 horas para deslocar até ao Distrito de Cocais na intenção de finalizar tal negociação e que desde então, não fez contato com nenhum membro da família.
No local da colisão, trevo de acesso ao Distrito de Cocais, pessoas do povo reconheceram que o cidadão Í., morador do Distrito de Cocais, era um dos envolvidos na colisão e teria evadido do local do acidente logo em seguida na garupa de uma motocicleta de cor escura, deixando o veículo VW/Fox no meio da pista.
Após diligências/levantamentos foi encontrado o endereço da pessoa de Í., localizado no Distrito de Cocais, a poucos metros do local do acidente, o que motivou o deslocamento ao aludido endereço onde foi possível encontrar o cidadão que foi identificado por Í. G. S. A..
Por ocasião de uma vistoria num imóvel em construção, localizado no Distrito de Cocais, pertencente a Í., foi localizada uma motocicleta, marca Honda Bros de cor preta que estava num cômodo que futuramente será a cozinha da casa, a qual estava ainda com o motor aquecido (quente). No quarto da casa do imóvel em construção, foi localizado o recibo de compra e venda do VW/Fox assinado e registrado em cartório por R. em data de 09/08/2018 às 12h56min, em um cartório do Município de Itabira-MG, devidamente preenchido com os dados pessoais de Í. G. S. A..
Em verbalização com o Í., foi recebida a informação de que este havia visualizado o anuncio do carro através da internet, o que motivou a realização de contato com o anunciante R., oportunidade em que se apresentou como um fazendeiro conhecido na localidade do Distrito de Cocais, sendo que R. havia deslocado em data pretérita (02/08/2018) até o distrito para negociação, sendo certo que tal encontro se deu na Praça do Rosário daquela localidade, onde ficou acertado que a concretização da negociação ocorreria em 09/08/2018.
Estando a negociação acertada para ocorrer no dia 09/08/2018, começou o planejamento do crime juntamente com a pessoa de “R.A.” que aquiesceu a ideia, e já na data do dia 09/08/2018, por volta das 17:00 horas, deslocou a residência de R.A. e confirmou que a pessoa de R. estava deslocando para finalizar a venda do veículo naquela tarde.
Assim, R.A ficou encarregado de planejar a abordagem a R. tão logo a negociação fosse firmada, sendo certo que por volta das 19:00 horas, realizou toda transação comercial com o R. na sua Casa no Distrito de Cocais, sendo o pagamento efetuado em espécie, no valor de R$36.000,00, quando ficou o Certificado de Registro do Veiculo preenchido e com assinatura reconhecida em cartório.
Considerando a possibilidade de um eventual crime em face dos vestígios encontrados no veículo, sangue, massa encefálica e o desaparecimento de R. G. V., Í. foi questionado acerca do paradeiro de R., tendo negado de forma preliminar saber do seu paradeiro jogando a responsabilidade toda para R.A.
Continuando a conversação, Í., inicialmente levou a equipe de militares na Zona Rural de Barão de Cocais, região das Três Cachoeiras, em meio a uma vegetação nativa, onde indicou o local em que estavam escondidas duas armas de fogo que segundo ele teria sido colocadas na localidade por R.A., estando uma delas com um cartucho deflagrado, dando a entender que devido ao resquício de pólvora que havia sido utilizada há pouco tempo.
Concluída a localização das armas de fogo, Í. informou que a vítima já estava morta e possivelmente o corpo seria localizado no Munícipio de São Gonçalo do Rio Abaixo/MG, Região da Lagoa do Peti, entrando próximo ao Posto de Combustível Primavera, o que motivou diversas diligências naquela região, oportunidade em que o próprio Ícaro indicou uma ponte sobre um córrego onde o corpo havia sido jogado, o que de fato se confirmou.
Diante do apresentado, R. A. de L. D., que já havia sido localizado, confirmou a sua participação no crime, alegando que tudo foi planejado por ele e Ícaro, oportunidade em que indicou o local as margens da BR 381, munícipio de Bom Jesus Amparo/MG, onde um dos telefones da vítima havia sido escondido e também seria a localidade em que R. teria sido executado, localidade em que estava com grande quantidade de sangue e ainda havia um cartucho calibre 28 em meio à vegetação rasteira.
R.A. esclareceu que num primeiro momento a negociação aconteceria no Distrito de Cocais, mas Í., contatou a vítima R. alegando que o aguardaria na casa de uma suposta sogra que residiria na Região Rural de Bom Jesus do Amparo, conhecido como Campo Alegre as margens da BR 381, e tão logo a vítima chegou e desceu para abrir a porteira foi rendida por ele (R.A.) e Í., estando cada uma deles com uma arma de fogo, sendo as armas de propriedade de Í..
Afirmou R.A. que não houve o pagamento de R$ 36.000,00 a vítima R. e tão logo Í. apoderou-se do recibo efetuou dois disparos de arma de fogo nela, oportunidade que apanharam o corpo, colocaram no porta-malas do veículo Fox e o jogaram na região da Lagoa do Peti, Zona Rural de São Gonçalo do Rio Abaixo.
R.A. informou que a vítima estava com dois telefones, e o segundo telefone teria sido jogado por ele dentro de um ribeirão no Distrito de Cocais, em uma região próxima a sua casa, embora, após varredura na localidade não fora encontrado e ainda que no momento do acidente na MG 436 ele é quem conduzia a motocicleta que é de propriedade de Í., enquanto este (Í.) dirigia o veículo Fox.
Numa ultima diligência com orientação de R.A. na Região Rural do Distrito de Cocais, Três Cacheiras, em meio à mata foi localizada uma pasta com notebook, uma carteira com documentos e a quantia em dinheiro de R$ 290,00, pertencente à vítima.
É oportuno registrar que a perícia foi acionada e compareceu na região de São Gonçalo do Rio Abaixo onde o corpo foi encontrado, sendo constado ferimento no rosto da vítima proveniente de disparo de arma de fogo, sendo a perícia representada pelo perito R. R. dos S., Masp nº 1367609-3, da Delegacia de Itabira o qual realizou os trabalhos de praxe e liberou o corpo para funerária São José de São Gonçalo do Rio Abaixo, tendo como representante C. R. de M., RG nº 20942051, bem como deslocou a região de Bom Jesus do Amparo, onde provavelmente R. foi executado para levantamento de local tendo recolhido o cartucho deflagrado calibre 28.
Destarte, os autores Í. e R.A. receberam voz de prisão em flagrante delito pelo crime de roubo seguido de morte, porte ilegal de arma de fogo e ocultação de cadáver e estão sendo apresentados a esta delegacia para as providências subsequentes, antes, porém, foram encaminhados para assistência médica, os quais estão com suas integridades preservadas.
Em tempo, ressalta que o tempo do registro do evento demandou o longo período em razão das diversas diligências que foram realizadas em três municípios distintos, Barão de Cocais, São Gonçalo do Rio Abaixo e Bom Jesus do Amparo, tanto é assim, que o ultimo trabalho realizado pela perícia foi encerrado nesta data por volta 18h45min e, em relação ao acidente e sua dinâmica em razão do evento haver ocorrido na rodovia MG 436, o registro foi realizado pela Polícia Rodoviária Estadual.
Por fim, quanto aos veículos fox de cor branca e a motocicleta de cor preta, foram removidos para pátio credenciado pelo Auto Socorro Barão e, fora recolhido na residência de Í. uma botina com caracteres semelhantes as marcas deixadas no chão onde o corpo foi abandonado.

Assista ao vídeo

 



Veja outras notícias